BLOG

CEO da Automatisa responde dúvidas sobre LASER de 50 dos maiores empresários do país.


14/08/2017 por Régis Faccini



Inovação, credibilidade e tecnologia de ponta, essas foram as razões que levaram a revista Empresário digital escolher a CEO da Automatisa Laser Solutions, Joana de Jesus para enriquecer a edição 178 (Pág. 34-38)
"Bastou criar uma lista de transmição com os 50 maiores empresários de comunicação visual e perguntar o que eles gostariam de saber sobre corte a LASER para entender que as perguntas eram comuns entre muitos. Escolhemos para responder essas questões  a empresária Joana de Jesus da Automatisa Laser Solutions, que já instalou mais de 1.000 máquinas pelo mundo. Há 16 anos a empresa tem dedicado esforços para produzir equipamentos com foco no desempenho de cortes com perfeição e acabamento impecável em materiais não metálicos como acrílico, MDF, PS e PETG, além de materiais metálicos como aço carbona, aço inox e chapas galvanizadas." - Empresário Digital.
Mediante às dúvidas e perguntas, nossa CEO prontamente respondeu de forma clara e objetiva à todas as questões, afinal de contas, este universo LASER já faz parte de sua vida a mais de 15 anos.

Entrevista:

 

  • O que o cliente deveria saber antes de comprar uma máquina de corte a LASER?

O primeiro conhecimento importante que o cliente deve ter é se ele quer um equipamento do tipo “hobby”, “profissional” ou “industrial”. A diferença é muito parecida com outros equipamentos que estamos habituados a comprar. Por exemplo, uma furadeira hobby é para uso doméstico, de pouca intensidade, uso eventual e funções básicas; uma furadeira profissional é de uso contínuo, mas para cargas leves e com funções um pouco mais amplas; uma furadeira industrial é para uso contínuo, intenso, de carga maior e diversos recursos para facilitar o trabalho. Cada tipo de equipamento – e vale a mesma coisa para o LASER – tem uma utilidade e um retorno de investimento esperado. Se o cliente fizer esta análise antes de investir na sua máquina a LASER, vai saber o que esperar de cada produto.

Depois, ele precisa explorar as alternativas de aplicação, ou seja, o que ele quer fazer e o que a máquina precisa ter. E isso um fornecedor de máquinas deve – por obrigação – ter condições de auxiliá-lo, de maneira clara, objetiva e exemplificando. A Automatisa, por exemplo, faz treinamentos diários – sim, diários! - para sua equipe técnica e de vendas. Isso porque o conhecimento é fundamental para ajudar o cliente a fazer o investimento certo, comprando a máquina que vai dar o melhor resultado possível. Mais importante que o preço da máquina é quanto ela vai retornar. Para cada real investido na nova máquina a LASER, quantos serão obtidos com o resultado que ela irá gerar?

Então, ele precisa saber qual aplicação priorizar para decidir a configuração técnica da sua máquina a LASER. A tecnologia LASER tem um “problema”: ela permite fazer muitas coisas. Muitas vezes o cliente quer tudo em um único equipamento, mas não concentra seus esforços e sua escolha de investimento, naquele equipamento que fará o melhor trabalho no produto que mais chances têm de dar maior retorno para ele. Por exemplo: se ele tem uma empresa de prestação de serviços e quer fazer corte e gravação a LASER, mas a maioria dos seus clientes trabalham com acrílico, ele deve priorizar que este material possa ser feito na sua nova máquina da melhor maneira possível. Essa nova máquina a LASER tem que cortar o acrílico com perfeição. Assim ele terá menos – ou nenhuma – chance de erro em seu investimento. Se no mesmo exemplo, ele compra uma máquina “faz tudo”, mas que ao final, não faz nada com perfeição, ele não encanta os clientes que ele já tem de acrílico e não gera um fluxo intenso de serviços que poderia fazê-lo crescer. É importante ter um foco.

Por último, ele precisa saber que tipo de fornecedor faz sentido ter como parceiro para ele. Uma máquina a LASER significa uma parceria entre o fabricante da máquina e o cliente. Na verdade, qualquer equipamento deveria significar isso. Então ele precisa posicionar mentalmente que tipo de pessoa/empresa ele quer escolher. Se ele quer um simples “vendedor” de equipamentos, ele estará bem atendido com um distribuidor. Se ele precisa de um parceiro, ele deve buscar uma empresa que tenha conhecimento e domínio profundo dessa tecnologia, infraestrutura de suporte técnico para o momento atual e perspectiva de longevidade e continuidade no negócio. A Automatisa, por exemplo, se preocupa muito com a continuidade das relações e da sua estrutura. Nós estamos consolidando um crescimento contínuo e consistente a longo prazo. Não somos uma empresa de temporada, somos uma empresa de 16 anos, com mais de 1.000 equipamentos instalados no Brasil e em mais 9 países e precisamos caminhar de forma sólida. Atendemos desde micro-empreendedores a multinacionais e em todos os casos, são públicos bastante exigentes.

  • Qual a duração e o valor do canhão do LASER?

Existem diversas tecnologias a LASER e cada uma delas serve para aplicações diferentes. Existe a tecnologia de LASER de FIBRA óptica, cujo comprimento de onda é mais adequado para processamento de metais e polímeros, muito usado em processos de gravação de plásticos e metais e cortes de chapas metálicas de espessuras média e alta. Esses LASERs têm uma alta durabilidade, pois a cavidade ressonante (aonde é gerado o LASER) é a própria FIBRA óptica, fazendo com que o sistema fique protegido de contaminações do ambiente. Isso faz com que a geração do LASER possa ocorrer muito mais vezes e com a mesma intensidade por muito mais tempo. São LASERs que duram de 50 a 100 mil horas.

Outra tecnologia, que é a mais popular, é o LASER de CO2 (uma mistura de gases com predominância do CO2) que tem um comprimento de onda muito adequado para uma grande gama de materiais, como a madeira, o acrílico, outros plásticos, borrachas, os tecidos, além de metais (quando a potência disponível é suficiente para abrir a fenda de corte). Esse tipo de LASER pode ser apresentado com a cavidade selada ou em fluxo. A cavidade selada significa que aquele gás fica enclausurado e pode gerar o LASER por um período de tempo.

Nos LASERs com cavidade selada de vidro (corpo de vidro) a vida útil varia de 2 a 3 mil horas, o que em média abrange de 1 a 2 anos, dependendo da produção. Muitos fornecedores falam de mais tempo, mas na verdade deve-se considerar inúmeros fatores como conservação, variação de temperatura no ambiente, oscilação de energia, contaminação, etc que levam a este número que informamos ser realizado na prática com algumas exceções. Esse tipo de LASER é trocado como se fosse uma lâmpada e tem um custo mais acessível (entre USD 300,00 e USD 13.000,00 com potências que variam de 40W a 260W).

Já o CO2 selado com cavidade ressonante metálica (corpo metálico) é um LASER com menos propensão a contaminação do gás que tem no seu interior e, consequentemente, ele pode gerar o LASER por mais tempo e com maior estabilidade. Na maioria dos casos e de acordo com a potência, esses LASERs não são trocados, mas sim recarregados. A recarga correta, como a que a Automatisa faz, deve ser realizada na mesma fábrica que o construiu, pois ele passa pelo mesmo fluxo que um LASER novo, com os mesmos processos de descontaminação, recarga de gás, revisão de lentes e eletrônica interna, etc e é capaz de continuar a geração de LASER pelo mesmo tempo e com a mesma estabilidade de um LASER novo. O investimento neste caso varia de USD$ 5 mil a USD$ 50 mil e isso também depende da potência que pode ser de 30W a 600W.

 

  • Tem algum material que o corte é um problema?

Sim. Materiais que emanam gases tóxicos quando aquecidos são um problema. Um exemplo típico são os materiais com cloro na sua composição. Há anos a Automatisa já alertava os clientes sobre isso. O cloro está tipicamente em sintéticos vinílicos e chapas de PVC. Muitas vezes os distribuidores de material também não sabem. A dica é pegar o material e com um isqueiro queimar uma borda. O cheiro será de ácido, a cor será de ferrugem e a fumaça amarelado escuro. Além de prejudicar o equipamento, pois esse ácido corrói tudo o que é metal além do prejuízo a saúde do operador. Caso seja obrigatório o processamento deste tipo de material, o operador deve usar máscaras com filtro e o cliente deve saber que sua máquina vai oxidar e vai exigir trocas de peças prematuramente.

 

  • Como eliminar o cheiro e a fumaça que os equipamentos fazem durante a operação?

Usando filtros para gases. Existem aplicações que exigem filtros diferentes. Por exemplo: se o cliente vai processar madeira e MDF, ele precisa de um filtro com capacidade de separar resíduos, não apenas o vapor e o requerimento de eliminação de odor é mais baixo. Se ele for trabalhar com couro, o requerimento de odor é mais alto. Se ele for trabalhar com tecido, o requerimento de odor e de resíduos é consideravelmente menor. Nós fornecemos alguns tipos de filtros e também recomendamos parceiros para casos em que a infraestrutura necessária seja sob medida na fábrica do cliente.

 

  • As máquinas de corte a LASER fazem rebaixo 3D. Gravação em camadas (Escarear a peça). Em quais materiais?

As máquinas de gravação a LASER podem fazer micro usinagens em materiais como metais, compostos metálicos, madeira, etc. A perfeição desta técnica está relacionada com o software empregado. O software correto, transforma um desenho 3D em camadas e faz com que a máquina após a gravação de cada camada, altere a altura do cabeçote, mantendo sempre a distância focal correta. Essa técnica é muito usada na gravação de moldes que serão usados posteriormente para processos de injeção ou gravação de, por exemplo, plásticos. A Automatisa oferece soluções para gravações através da linha fiber. A linha fiber faz gravação de metais e plásticos com máxima perfeição. O LASER de FIBRA óptica, além de fazer gravações indeléveis, tem uma durabilidade ultra longa, de cerca de 100 mil horas de uso.

  • Existe algum modo de o LASER não queimar peças como chapas de PS (Poliestireno) por exemplo?

Nas máquinas da Automatisa, o Poliestireno (PS) é um material com corte adequado e sem queima na borda. Este material é muito usado na área de comunicação visual e PDV, por ser muito fácil de dobrar e cortar, além de ser mais acessível em comparação com o acrílico. Também é muito usado em peças técnicas na linha de produtos que usam plásticos de engenharia. Recentemente a Automatisa foi aprovada pela empresa Whirlpool (linha Consul) para fornecimento de duas linhas de corte totalmente automáticas para fabricação de peças de PS de alto impacto usando LASER.

Existem outros plásticos que também são ótimos para o corte, além do acrílico, como o PETG ou o ABS, cujas bordas ficam bastante adequadas e a velocidade de corte é alta. Muito embora o LASER seja bastante difundido no universo do acrílico e do mdf, existe um mundo de materiais que podem ser processados com LASER e que ainda são pouco explorados. A Automatisa, para colaborar com os clientes no seu processo de aquisição, oferece ensaios e amostras de corte antes da aquisição dos equipamentos. Isso gera segurança para o cliente e também conhecimento para a Automatisa.

 

  • É possível fazer um corte em ângulo? (tipo 45o) Se não hoje, quando teremos uma tecnologia assim?

No mundo da engenharia quase tudo é possível. Hoje existem clientes que colocam as peças inclinadas na máquina e as cortam. Mas as máquinas não são fabricadas com esse objetivo, então a técnica é feita com base na adequação de um suporte para a peça. Os cortes angulares já são feitos no mercado de forma industrial, quando o LASER é colocado na ponta de um braço de robô, por exemplo, para corte de peças de volumes variados, como na indústria automotiva ou de plásticos. Ainda não foi alcançado a viabilidade econômica de trazer para uma máquina de “mesa” a solução angular. Mas todos os dias caminhamos um passo adiante na viabilidade de muitas técnicas que antes não eram possíveis. Nós acreditamos que não vai demorar muito para que isso ocorra. No entanto, o universo em que se pode avançar em soluções utilizando corte e gravação a LASER é imenso. A Automatisa, por exemplo, investiu em cortes localizados em peças que tenham sido impressas para dar às empresas que possuem impressoras digitais de materiais rígidos uma solução segura, que reduza o uso desnecessário de mão de obra e garanta qualidade nos trabalhos realizados. O SPIA (Sistema de Posicionamento Inteligente Automatisa) funciona como um posicionador automático de cortes. Os materiais impressos recebem “pontos de referência” ao longo da chapa que são “localizados” automaticamente pela máquina, que a partir disso realiza os cortes com precisão.

Também trouxemos ao mercado uma solução desenvolvida por nós para cortes de chapas finas de metais em máquinas com potência a partir de 150W, de forma segura e confiável. Ou seja, estamos entregando para o mercado soluções que têm grande demanda para nossos clientes e não vamos parar de investir em outras novidades para nosso público.

 

  • Qual a velocidade de um equipamento de baixa e alta produção?

Baixa, média e alta produção são termos relativos. Produtividade e velocidade são quesitos intrinsecamente relacionados ao material que está sendo trabalhado, ao tipo de produto a ser feito e ao tipo de tecnologia similar que se está comparando. Recentemente fizemos um processo de corte de chapas de aço cuja velocidade foi de 20 mm/seg. e consideramos essa produtividade baixa. O cliente, no entanto, comparou o resultado do seu processo anterior com fresa e considerou uma ótima produtividade.

 

  • Como avaliar potência e preços de um equipamento desses?

Para avaliar qual a potência necessária para a sua aplicação é necessário testar o seu produto no equipamento proposto ou requerer ao fabricante da máquina uma sugestão de potência. Via de regra, dentro do possível, vale muito a pena ter uma máquina com sobra de desempenho, ou seja, se o cliente precisa de uma máquina para cortar 3 mm de MDF e produz pouco, ele estaria atendido com uma máquina de corte, com laser de vidro e potências de 60 ou 80W. Mas se ele comprar uma máquina com essa potência, na medida em que o tempo passar, o LASER vai diminuindo a sua carga e reduzindo o desempenho da máquina. Então, este mesmo cliente poderia comprar um equipamento de, pelo menos, 100W. Com isso, na medida em que ele for usando e a carga for baixando, ainda assim, ele terá um ótimo desempenho do equipamento. A Automatisa, por exemplo, para máquinas com essas características, oferece potências a partir de 100W, pois entendemos que abaixo disso nosso público ficaria mal atendido.

Certamente, quanto maior a potência da máquina, maior será o investimento. Então, é importante ver até onde o cliente pode e está disposto a investir. Uma máquina a LASER é uma máquina de fazer dinheiro. Quanto melhor ela for, mais retorno ela vai dar ao cliente. Quanto mais básica ela for, menor vai ser o retorno. No nosso portfólio temos máquinas a partir de R$ 55 mil. Mas a nossa máquina de entrada já é um excelente equipamento, capaz de trabalhar 24/7 e dar toda a segurança ao nosso cliente, além de entregar um resultado visualmente superior ao realizado em máquinas concorrentes.

Como critério para sugestão da potência adequado a um equipamento de corte a LASER com cavidade ressonante de vidro, utilizamos a tabela desenvolvida pela Automatisa conforme abaixo:

 

  • Quais as principais vantagens competitivas dos equipamentos comercializados pela Automatisa? Como a empresa começou e quais os principais desafios?

A Automatisa começou de um desafio: transformar o problema de um cliente em um diferencial competitivo através de uma solução a LASER. Desenvolvemos a primeira e única máquina de corte a LASER com visão artificial no mundo. No final dos anos 90 isso era impossível de se imaginar, sobretudo para um grupo de brasileiros como nós. Mas fizemos isso muito bem. Essa solução é capaz de enxergar a imagem que se deseja cortar e gerar sozinha a trajetória de corte externa (contorno), interna ou ambas para ser cortada a LASER. Foi especialmente desenvolvida para cortar materiais que se deformam no processo de fabricação, como os tecidos sublimados, os bordados ou tecidos. Essa solução continua sendo única no mundo e foi patenteada por nós. Hoje é a única tecnologia confiável para corte de apliques termocolantes, etiquetas tecidas e outros produtos similares.

Dali vendemos nossa primeira dezena de máquinas dentro e fora do Brasil. Depois desse start, nossa trajetória foi sempre marcada pela inovação, pela qualidade e pela robustez. Sempre buscamos desenvolver máquinas a LASER que trouxessem um diferencial real para nosso cliente.

Há algum tempo desenvolvemos o SPIA (Sistema de Posicionamento Inteligente Automatisa), para que aquele cliente que tem ou quer ter uma impressora de rígidos possa cortar seu material a LASER. Foi e continua sendo um sucesso, pois com o SPIA o cliente não precisa parar a impressora ou o LASER para gabaritar a mesa e integrar corte com impressão. O SPIA é muito usado por empresas de comunicação visual e fabricantes de PDV, além de empresas gráficas que trabalham com impressão plana e precisam fazer cortes especiais em baixa tiragem.

Hoje nossa novidade está no corte de metais com baixa potência. Podemos oferecer corte de aço inox de 1,5 mm com uma máquina LASER de 150W de potência. A mesma máquina vem equipada com um cabeçote exclusivo para cortes de acrílico e madeira. Com os dois cortes separados, o cliente usa a ferramenta certa para cada material. Isso dá maior qualidade no trabalho, mas também dá mais segurança. Imaginemos que se a máquina tiver apenas um cabeçote “fazendo tudo”, um operador poderia colocar acrílico para cortar no cabeçote de metal e por negligência usar oxigênio. Isso provocaria um incêndio no equipamento colocando bens materiais, mas sobretudo, vidas em risco.

Nossas máquinas são assim: cortam e gravam melhor, fazem o que as outras não fazem, são mais duráveis e são mais seguras. Mas sobretudo, temos um atendimento muito especial ao nosso cliente. Nosso foco é o relacionamento de longo prazo. Temos clientes que têm mais de 10 máquinas e todas são Automatisa. Temos uma equipe permanente de suporte técnico e uma rede de técnicos próprios e autorizados dentro e fora do Brasil. Por sermos muito requisitados no mercado em atender outras marcas de máquinas, abrimos uma unidade de negócios de peças e serviços multimarcas que vem crescendo a cada dia.

Nós não entramos no mercado para leiloar máquinas ou peças, estamos no mercado para prover soluções que gerem resultado aos nossos clientes. São mais de 1.000 máquinas vendidas no Brasil e em mais 9 países.

Espero que este post tenha te ajudado e esclarecido mais sobre este universo fantático do LASER. Caso tenha mais dúvidas, coloque nos comentários abaixo que responderemso com o maior prazer.